Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/1083
Título: Conhecimento da População Portuguesa sobre Fibras Alimentares
Autor: Guiné, Raquel
Martinho, Célia
Correia, Ana
Gonçalves, Fernando
Abrantes, José Luís
Carvalho, Renato
Palavras-chave: Fibras alimentares
conhecimento
Data: Abr-2012
Citação: 43. Guiné RPF, Martinho CAC, Correia AC, Gonçalves FJ, Abrantes JL, Carvalho RRM (2012) Conhecimento da População Portuguesa sobre Fibras Alimentares. CD-Rom de Anais do Congresso World Nutrition Rio 2012.
Resumo: As fibras têm sido objecto de estudo nas últimas décadas e um dos temas frequentemente abordado é a relação entre fibra alimentar e os benefícios para a saúde. Este trabalho pretendeu fazer uma análise estatística do conhecimento da população portuguesa relativa às fibras alimentares. Foi realizado um inquérito por questionário entre Abril e Junho de 2011 a uma amostra de 182 indivíduos. Foram abordados temas como hábitos de consumo, conhecimento sobre fibras, meios de divulgação e informação, rotulagem dos alimentos, relação entre fibras e saúde, entre outros. Alguns dos resultados obtidos indicam que aproximadamente 70% dos inquiridos possui idade entre 18 e 40 anos, ensino universitário e vive no meio urbano. Os resultados mais relevantes indicam que por dia apenas 13% dos inquiridos comem duas refeições com legumes e/ou saladas e 9% come no mínimo 3 peças de fruta. Os cereais integrais nunca são consumidos por 41% e apenas 18% o fazem pelo menos uma vez por semana. Cerca de 35% dos inquiridos sabem qual a origem das fibras e aproximadamente 70% afirma que existe maior quantidade de fibras nas leguminosas, fruta com casca e nos alimentos integrais. A consulta dos rótulos dos alimentos revela interesse por parte de 80% dos inquiridos, sendo que, do total de respostas, apenas 10% consulta sempre o rótulo. O teor de fibras que o alimento possui não é do interesse de 43% dos inquiridos tendo em conta que esta informação nunca é consultada ou então isso é feito raramente. Um valor semelhante (39%) refere que a quantidade de fibras não é tida em conta aquando da escolha dos alimentos. A grande maioria (90%) dos inquiridos tem a noção de que a ingestão de fibras contribui para a prevenção e tratamento de doenças. Das várias doenças referidas no inquérito, as mais citadas foram a prisão de ventre (86%), obesidade (80%), doenças cardiovasculares e colesterol (7 %) e o cancro do intestino (69%). Relativamente aos meios de divulgação e informação sobre fibras alimentares, a escola (44%) e a televisão (41%) foram considerados os meios de divulgação mais adequados para incentivar o consumo, mas, na realidade, são os centros de saúde e hospitais (25%) que têm mais informação disponível. Com a realização deste trabalho foi possível concluir que o conhecimento dos inquiridos acerca de fibras alimentares é insuficiente, e que apesar de lhes ser atribuída grande importância no tratamento e prevenção de doenças, o nível de ingestão é muito baixo.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/1083
Aparece nas colecções:ESAV - DIA - Documentos de congressos (comunicações, posters, actas)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Resumo 2.pdf113,69 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.