Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/1317
Título: Caracterização bioquímica e fúngica de peras secadas por diferentes processos.
Autor: Almeida, Inês
Costa, Elisa
Guiné, Raquel
Palavras-chave: Caracterização Bioquímica
Fungos
Peras
Data: 2010
Editora: CI&DETS
Citação: Almeida I, Costa E,Guiné R. (2010) Caracterização bioquímica e fúngica de peras secadas por diferentes processos. in Guiné R (Ed.) Secagem de Peras. Da tradição à ciência. Capítulo 10, pp.155-172, CI&DETS, Viseu.
Resumo: A conservação de peras pela secagem ocorre principalmente devido à inibição do crescimento microbiano, tornando a pêra secada um alimento mais seguro para os consumidores. Nos frutos secados, os fungos só podem causar deterioração caso a actividade da água (aw) seja relativamente elevada, uma vez que não há crescimento microbiano para valores de aw inferiores a 0,60. As peras secadas estudadas foram obtidas por diferentes processos de secagem: Tradicional por exposição directa ao sol, numa estufa solar na Escola Superior Agrária de Viseu (ESAV), num secador solar na Escola Superior de Tecnologia de Viseu (ESTV) e num túnel de secagem na Universidade de Coimbra (UC). Pretendeu-se isolar e caracterizar morfologicamente leveduras e bolores a partir de amostras em estudo, pela técnica de cultura, método padrão de referência segundo a norma International Organization for Standardization ISO- 21527- 2 de 2008. A caracterização físico-química das 17 amostras em estudo teve por base a determinação dos valores de actividade de água (aw) e humidade. Para a obtenção de isolados de leveduras e fungos filamentosos, foi realizada a inoculação das respectivas amostras em estudo num meio de cultura selectivo, o SDA (Sabouraud Agar), suplementado com cloranfenicol. As placas foram examinadas de 2 a 2 dias durante os 7 dias de incubação, uma vez que os fungos filamentosos apresentam um crescimento muito rápido, podendo mascarar o crescimento de leveduras. Durante o exame das placas foi registado a presença ou não de leveduras e fungos filamentosos, assim como o número e aspecto morfológico. Os resultados obtidos da caracterização bioquímica das amostras em estudo demonstram que todas as amostras apresentam uma actividade da água inferior a 0,60. Após incubação dos inóculos só se observou o crescimento de um bolor nas amostras de pêra secada pelo método tradicional, o que nos permite concluir que as amostras em estudo, dado aos seus valores baixos em aw e humidade, não permitem o crescimento e proliferação dos mesmos
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/1317
Aparece nas colecções:ESAV - DIA - Capítulos (ou partes) de Livros

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
2010_Livro projecto peras_Cap_10.pdf259,83 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.