Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/1351
Título: Determinação do poder anti-radicalar dos compostos fenólicos das peras frescas e secadas de S. Bartolomeu.
Autor: Silva, Lizete
Lopes, Pedro
Cunha, Pedro
Rocha, Sílvia
Guiné, Raquel
Coimbra, Manuel
Palavras-chave: Compostoa fenólicos
peras
Biodisponibilidade
Data: 2010
Citação: Silva LM, Lopes PA, Cunha PRT, Rocha SM, Guiné RPF, Coimbra MA. (2010) Determinação do poder anti-radicalar dos compostos fenólicos das peras frescas e secadas de S. Bartolomeu. Avaliação da sua biodisponibilidade ao longo do tracto gastrointestinal. Livro de Resumos e CD-Rom das Actas do 1º Encontro Português de Secagem de Alimentos, 12 pag., Viseu.
Resumo: As procianidinas são os principais compostos fenólicos da pêra de S. Bartolomeu (Pyrus communis L.). Com o processamento a pêra passa de Viseu, o conteúdo em compostos fenólicos diminui 64%, verificando-se que as procianidinas aumentam o seu grau de polimerização e diminuem a sua extractabilidade. Com o objectivo de avaliar o poder anti-radicalar dos compostos fenólicos presentes nas peras de S. Bartolomeu frescas e secadas e a sua biodisponibilidade ao longo do tracto gastrointestinal, foram analisadas peras secadas pelo método tradicional com exposição solar directa, peras secadas em estufa solar de convecção forçada e peras secadas em túnel a 40 ºC sem exposição solar. Os compostos fenólicos foram extraídos com soluções de metanol e de acetona/água (6:4 v/v). Os testes de avaliação do poder anti-radicalar das amostras foram feitos em soluções simulantes da saliva (1% -amilase, pH 6,5), do suco gástrico (1% pepsina, pH 2) e do meio líquido do duodeno (0,15% sais biliares e 3% pancreatina, pH 7), a 37 ºC. Os testes foram realizados individualmente nas três condições e também de modo sequencial, simulando o percurso pelo aparelho digestivo. A actividade anti-radicalar foi medida pelo teste de DPPH. Cada um dos simulantes, quando analisado individualmente, não apresenta efeitos significativos na actividade anti-radicalar dos extractos. No entanto, a acção sequencial dos três simulantes reduz para metade a capacidade anti-radicalar. Estes resultados permitem inferir que os compostos fenólicos existentes nos vários extractos de pêra fresca e secada apresentam biodisponibilidade, resistindo parcialmente à degradação pela saliva, suco gástrico e meio líquido do duodeno.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/1351
Aparece nas colecções:ESAV - DIA - Documentos de congressos (comunicações, posters, actas)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
2010_Viseu_Acta_Oral Lisete.pdf585,46 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.