Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/1562
Título: O ganho ponderal gestacional
Autor: Ferreira, Lígia Sofia Cavaleiro Lobo
Palavras-chave: Cuidados pré-natais
Ganho de peso
Gravidez
Índice de massa corporal
Sector privado
Sector público
Serviços de saúde materna
Body mass index
Maternal health services
Pregnancy
Prenatal care
Private sector
Public sector
Weight gain
Data de Defesa: 2011
Editora: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu
Resumo: Enquadramento: A gravidez é um período de mudança para a mulher que envolve muitas alterações, quer a nível físico, quer a nível psico-afectivo. O ganho ponderal na gravidez, excessivo ou insuficiente é um problema de saúde pública. A sua esfera de repercussões ultrapassa o processo de gravidez, o intra-parto, o pós-parto e estendem-se ao RN na sua idade adulta. Objectivo: Pretende-se analisar a relação existente entre ganho ponderal gestacional e as variáveis demográficas, as variáveis obstétricas intra-parto e pós-parto e também analisar a sua relação com as variáveis neonatais. Métodos: Trata-se de uma pesquisa de natureza quantitativa, analítica, descritiva do tipo retrospectivo. Foi utilizada uma amostra não probabilística por conveniência, constituída por 382 processos clínicos de mulheres que pariram numa maternidade central considerada hospital de apoio perinatal diferenciado. A recolha de dados decorreu de 1 de Julho e 31 de Dezembro de 2009. Resultados: O ganho ponderal real não é influenciado pela idade nas mulheres iguais ou inferiores a 34 anos e com 35 ou mais anos, e não existe associação entre ganho ponderal e idade. Concluímos que o ganho ponderal está altamente associado com o IMC inicial e que as grávidas com IMC mais elevado têm um menor ganho real mas, em relação ao seu IMC, é um ganho que se situa acima do ideal. Os resultados revelam que a idade gestacional não influencia significativamente o ganho ponderal real da grávida. As grávidas com peso final mais elevado tendem a apresentar maior ganho ponderal real (p < 0.001). Há associação altamente significativa entre os intervalos de ganho ponderal e os grupos de peso final e a proporção de casos em que o ganho ponderal foi acima do ideal tende a aumentar do grupo de peso final mais baixo (2.1%) até ao peso final mais elevado (88.5%). Existe maior probabilidade das grávidas que fizeram vigilância da gravidez no público terem um ganho ponderal real superior e uma proporção acima do ganho ponderal ideal mais elevada em relação às grávidas que fizeram a vigilância no sector privado. A associação do ganho ponderal com as variáveis intra-parto e pós parto não evidenciou estatística significativa. Não há associações entre as variáveis neo-natais e o ganho ponderal gestacional. A influência do ganho ponderal na grávida, evidenciou-se principalmente ao nível do IMC inicial, peso final e local de vigilância pré-natal público. Palavras-chave: Ganho ponderal gestacional
ABSTRACT Background: Pregnancy is a phase in women’s life for physical as well as psycho-affective change’s. It means reflexion on the women’s role as daughter, how her mother was and how is going to be her own. In an epidemiological perspective gestational weight gain, whether it is excessive or insufficient it is a public health problem. The range of repercussions usually doesn’t finish with pregnancy, nor it affects the mother only, but rather continues in post-partum and extend to newborn and even in his adult life. Objectives: This study aims to analyse the relationship between gestational weight gain and demographic, pre-obstetrics, intra and post-partum obstetric and neonatal variables. Methods: This study is a quantitative, descriptive and analytic nature of retrospective type. Using a non probabilistic, convenient scale with 382 women clinical process’, who gave birth in a central maternity, which is a differentiate perinatal support hospital. Data recollection was between July 1st and December 31 of 2009. Results: Real gestational weight gain is not influenced by pregnant women with 34 years or less neither with 35 years or more. There is also no association between age groups and gestational weight gain intervals. Initial BMI is highly associated with weight gain, and pregnant women with the highest BMI have lower real weight gain, but they gain weight above the ideal when compared with their BMI. Concerning real gestational weight be evidence for (p<0.001) final weight groups, therefore pregnant women with higher final weight tend to have higher real gain weight. The association between weight gain intervals and final weight groups, be evidence (p<0.001), and weight gain tends to elevate the lowest final weight (2.1%) to the highest final weight (88.5%). Women who had their pre-natal care in the public sector had are higher probabilities of gaining higher weight as well as a higher proportion of the ideal weight gain comparing to pre-natal in the private sector. Gestational weight gain and obstetric intra-partum and post-partum variables didn´t show be evidence, therefore gestational weight gain doesn’t have influence on them. There is no association between neonatal variables and gestational weight gain. Gestational weight gain influence was relevant for initial IMC, final weight and public pre-natal care. Keywords: Gestational weight gain
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/1562
Aparece nas colecções:ESSV - UEMOG - Dissertações de mestrado (após aprovadas pelo júri)



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.