Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/1634
Título: Relato de erros de medicação: perceções dos enfermeiros
Autor: Raimundo, Hugo Alexandre Silva
Ribeiro, Olivério Paiva, orient.
Palavras-chave: Atitude do pessoal de saúde
Enfermeiros
Erros de medicação
Segurança do doente
Attitude of health personnel
Medication errors
Nurses
Patient safety
Data de Defesa: 2012
Editora: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu
Resumo: TÍTULO DO TRABALHO: Relato de Erros de Medicação: Perceções dos Enfermeiros. ENQUADRAMENTO: Os Erros de Medicação ocorrem em todos os sistemas de saúde de todo o mundo, constituindo um dos mais frequentes eventos adversos no meio hospitalar (19). A deteção e o relato de eventos adversos é crucial para a prevenção do erro em qualquer organização complexa, mas a conduta em presença do erro ocorrido ou potencialmente ocorrido é igualmente crucial. Uma culpabilização e repressão sistemática leva possivelmente a melhoria transitória mas fugaz, não removendo as causas individuais e sobretudo as causas devidas ao sistema, pelo que perpetua o “ciclo do erro”. Atualmente o relato de erros de medicação nos sistemas de saúde é, na maioria das vezes, um ato voluntário, complexo e pouco confidencial e identificam-se múltiplos fatores que impedem o relato do erro. Quando um erro de medicação não é relatado diminui-se drasticamente a possibilidade de evitar no futuro que esse erro volte a acontecer (63). Apesar de diferentes profissões contribuirem para a ocorrência dos Erros de Medicação, os enfermeiros são os profissionais em permanente contacto com os doentes validam o processo de segurança da medicação. Considerados como “gate keepers” são os profissionais em melhor posição para detetar falhas no sistema e garantir a segurança do doente (13)(39). OBJETIVOS: relacionar as variáveis sóciodemográficas, socioprofissionais, formação, conhecimentos e experiências com erros de medicação com a perceção de obstáculos ao relato de erros de medicação, fatores facilitadores do relato de erros de medicação e com o grau de concordância sobre divulgação de erros de medicação. MÉTODOS: Estudo descritivo-correlacional; amostra 117 enfermeiros (70.1% do sexo feminino e 29,9% do sexo masculino). Dados obtidos através de questionário eletrónico constituído por uma componente sociodemográfica, escala de conhecimentos sobre erros de medicação e escala de perceções e experiência de erros de medicação (26)(62)(82). RESULTADOS: A maioria (51.3%) dos inquiridos consideram que nas suas instituições existem grandes obstáculos ao relato de erros de medicação sendo que todos os obstáculos referenciados estão presentes nos seus locais de trabalho ( X =1.69; dp= 0.521). Os dados revelam uma opinião não definida sobre a divulgação dos erros de medicação ao doente e à família. Os inquiridos opõem-se à divulgação de relatórios sobre erros de medicação por parte das instituições de saúde ( X = 3.43; dp=1.140). Os enfermeiros não relatam erros de medicação porque têm receio das consequências disciplinares e laborais. Alguns fatores são identificados como facilitadores do relato, nomeadamente se sentirem benefícios em relatar os erros, tal como aumento da responsabilização, melhoria do sistema e das práticas. De uma forma global as caraterísticas sociodemograficas e socioprofissionais não têm relação com a perceção dos enfermeiros sobre Obstáculos ao Relato de Erros de Medicação, fatores facilitadores do relato de erros de medicação e grau de concordância sobre divulgação dos erros de medicação. A formação profissional contínua está relacionada com a perceção dos obstáculos ao relato de erros de medicação (X2KW(2)=10.065; p=.007; N=117). Os conhecimentos sobre erros de medicação são preditores do nível de concordância sobre divulgação de erros de medicação [t (1, 115) = -3.464; p = .001; β= 0.376]. CONCLUSÃO: Podemos constatar que a perceção dos obstáculos e dos fatores facilitadores do relato de erros de medicação por parte dos enfermeiros não tem, de uma forma geral, relação com caracterísitcas sociodemograficas e socioprofissionais, o que demonstra a transversalidade desta problemática nas instituições. Os nossos resultados sugerem que os hospitais devem rever as suas políticas garantindo que apoiam e encorajam os seus profissionais a relatar erros de medicação. De entre as intervenções sugeridas salientamos eliminação ou minimização da cultura punitiva sobre os enfermeiros, providenciar programas orientadores e formação profissional contínua transversal a todos os enfermeiros, bem como a implementação ou reestruturação de sistemas de relato por forma a aumentar a sua fiabilidade, simplicidade e agilidade. PALAVRAS CHAVE: Erros de Medicação; perceções dos enfermeiros; relato de erros de medicação.
ABSTRACT TITLE: Medication Errors: Nurses’ Perceptions. FRAMEWORK: Medication Errors occur in every health system all over the world, being one of the most frequent adverse events in hospitals (19). The detection and reporting of adverse events is crucial for the prevention of errors in any (complex) organization, but the conduct when such event has occurred or potentially occurred is equally important. A constant blame and systematic repression might lead to a transitory and brief improvement, but in the longterm does not remove the individual causes nor – most importantly – the system-related causes, perpetuating the “error cycle”. Presently, reports of medication errors in the health systems are mostly voluntary and complex acts, without much respect for confidentiality issues and multiple factors are identified, preventing the error from being adequately reported. When the medication error is not reported, we are dramatically decreasing the chance of preventing that same error from happening in the future (63). Although several professions contribute to the occurrence of medication errors, nurses are the healthcare professionals which are in permanent contact with the patients, and the ones which validate the medication security process. Touted as “gate keepers”, nurses are in a privileged position to detect flaws in the system and guarantee the safety of the patients (13)(39). OBJECTIVES: establish a relationship between the sociodemographic and socioprofessional variables, competencies, knowledge and experiences in medication errors with the perception of obstacles to the reporting of medication errors, facilitating factors of medication errors e with the degree of agreement on the disclosure of medication errors. MÉTHODS: Descriptive-correctional study; sample with 117 nurses (70.1% females and 29.9% males). Data obtained through an electronic survey composed of a sociodemographic component, a knowledge scale on medication errors and a scale on perceptions and experiences on medication errors (26)(62)(82). RESULTS: The majority (51.3%) of the people inquired consider that in their institutions there are considerable obstacles to the reporting of medication errors, being all these obstacles present in their workplaces ( X =1.69; dp= 0.521). The data reveals an undefined opinion with regards to the disclosure of medication errors to the patient and his/her family. The people inquired oppose disclosure reports on medication errors by the healthcare institutions ( X = 3.43; dp=1.140). Nurses do not report medication errors due to the fear of disciplinary and labour repercussions. Some factors are identified as facilitating the report, namely if they feel there is some benefit in reporting the errors, such as increasing accountability, improving the system and the practices. Globally, the sociodemographic and socioprofessional characteristics are not related with the perception of nurses on the Obstacles to the Report on Medication Errors, facilitating factors of medication errors reporting and degree of agreement on the disclosure of those medication errors. Continuing vocational training is related to the perception of the obstacles to the reporting of medication errors (X2KW(2)=10.065; p=.007; N=117). The knowledge on medication errors is interlinked with the degree of agreement on the disclosure of medication errors [t (1, 115) = -3.464; p = .001; β= 0.376]. CONCLUSION: It can be concluded that the perception of obstacles and the facilitating factors for the report of medication errors by the nurses are generally not related to the sociodemographic and socio-professional characteristics, what underlines the transversality of this problem in the institutions. The results presented here suggest that hospitals should review their policies, guaranteeing the support and encouragement of their professionals to report medication errors. Among the suggested interventions, we highlight the elimination or minimisation of the punitive culture over nurses; providing guidance programs and professional continuing training for all nurses, as well as the implementation or re-structuring of the report systems, in order to increase its reliability, simplicity and agility. KEYWORDS: Medication errors; Nurse’s perceptions; reporting of medication errors.
Descrição: Curso de mestrado em enfermagem médico cirúrgica
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/1634
Aparece nas colecções:ESSV - UEMC - Dissertações de mestrado (após aprovadas pelo júri)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
RAIMUNDO Hugo Alexandre Silva - Relato de erros de medicação.pdfDocumento principal2,08 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.