Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/1783
Título: Evolução dos compostos fenólicos e da capacidade antioxidante durante a maturação de frutos vermelhos (framboesa, groselha e mirtilo) de produção biológica
Autor: Soutinho, Susana
Gonçalves, Fernando
Jordão, Antonio
Guiné, Raquel
Palavras-chave: Frutos vermelhos
Compostos fenólicos
Capacidade antioxidante
Maturação
Data: 2013
Citação: Soutinho SM, Gonçalves FJ, Jordão AM, Guiné RPF. (2013) Evolução dos compostos fenólicos e da capacidade antioxidante durante a maturação de frutos vermelhos (framboesa, groselha e mirtilo) de produção biológica. Proceedings of the VII Congreso Ibérico de Agroingeniería y Ciencias Hortícolas, Madrid, Espanha, Ref. C0045, 6pp.
Resumo: O modo de produção biológico distingue-se de outros métodos de produção pelo seu equilíbrio e ação construtiva nos sistemas agrícolas. Nos últimos anos, tem havido um interesse crescente em alimentos de origem biológica. Ao mesmo tempo, tem crescido a procura por frutos devido à sua composição em compostos biologicamente ativos, associados a efeitos benéficos para a saúde humana. Neste trabalho foram estudados três frutos vermelhos, framboesa, groselha e mirtilo, produzidos em modo biológico. Com a execução do trabalho pretendeu-se estudar a evolução do teor em compostos fenólicos e da capacidade antioxidante destes frutos vermelhos ao longo da maturação. Os resultados mostraram que os compostos fenólicos totais dos três frutos decresceram ao longo da maturação, tanto no extrato de metanol como no de acetona. O teor em compostos fenólicos do extrato de metanol era superior quando comparado com o extrato de acetona. O mirtilo foi, entre os frutos estudados, o que apresentava teores mais elevados de compostos fenólicos. Os teores de taninos e antocianinas totais quantificadas no mirtilo e na groselha aumentaram ao longo da maturação. Pelo contrário, a framboesa continha, no final da maturação, teores mais baixos destes compostos. No final da maturação, os teores mais elevados de taninos e de antocianinas foram observados no mirtilo. Ao longo da maturação verificou-se um decréscimo na percentagem relativa das formas monoméricas das antocianinas. No final da maturação, todos os frutos apresentavam valores semelhantes de capacidade antioxidante quando determinada pelo método DPPH. No caso do método ABTS, o mirtilo mostrou valores mais elevados de capacidade antioxidante.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/1783
Aparece nas colecções:ESAV - DIA - Documentos de congressos (comunicações, posters, actas)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
2013_08_Madrid_Ata_Frutos Vermelhos C0045.pdf222,8 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.