Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/1991
Título: Adolescentes e sexualidade : conhecimentos e atitudes
Autor: Correia, Toni Fernando Aguilar
Ferreira, Manuela Maria Conceição, orient.
Duarte, João Carvalho, co-orient.
Palavras-chave: Adolescente
Conhecimentos, atitudes e prática em saúde
Contracepção
Sexualidade
Adolescent
Contraception
Health knowledge, attitudes, practice
Sexuality
Data de Defesa: 2013
Editora: Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu
Resumo: Enquadramento: Emergem preocupações com todas as dimensões da sexualidade e com o contributo que cada um dos agentes educativos deve dar para a formação de adolescentes responsáveis nas suas escolhas e respeitadores da dignidade da pessoa humana. Objetivos: Descrever as características sócio-demográficas, familiares e de carácter sexual da população em estudo; Identificar os conhecimentos que os adolescentes possuem acerca do planeamento familiar; Caracterizar as atitudes adotadas pelos adolescentes face ao preservativo e pílula; Analisar a influência das variáveis sociodemográficas, das variáveis contextuais à sexualidade e conhecimentos sobre planeamento familiar nas atitudes face ao preservativo e à pílula. Material e métodos: Este estudo, caracteriza-se como sendo do tipo descritivo correlacional não experimental efetuado em corte transversal. A amostra não probabilística por conveniência é constituída por 1216 adolescentes que frequentam o 9º Ano de Escolaridade em Escolas Públicas Portuguesas, enquadrado no projeto PTDC/CPECED/ 103313/2008. Resultados: Tiveram relações sexuais 15,1% dos rapazes e 10,5% das raparigas. Face ao preservativo, são os adolescentes com 14 anos que apresentam maior percentagem de atitudes muito adequadas (20,6%) e de atitudes inadequadas (21,3%). A maioria dos adolescentes que considera importante utilizar o preservativo apresenta atitudes inadequadas face à pílula (48,5%). A idade (p=0,242) e a residência (p=0,719) não influenciam as atitudes face ao preservativo; O sexo (p=0,038) influencia as atitudes face ao preservativo; A idade (p=0,324), a residência (p=0,862) e a idade de início das relações sexuais (p=0,222) não têm influência nas atitudes face à pílula; O sexo influencia as atitudes face à pílula anticoncetiva; Apresentam menor culpabilidade face ao preservativo os adolescentes que têm o pai (p=0,030) e o namorado (a) (p=0,023) como interlocutores sobre sexualidade; As variáveis de contexto não têm efeito significativo sobre as atitudes face à pílula anticoncetiva (p0,05). Verificou-se a existência de mais atitudes de culpabilidade e funcionalidade face ao preservativo e pílula anticoncetiva entre os adolescentes que possuem fracos conhecimentos sobre planeamento familiar. Conclusão: A educação sexual deve constituir uma aposta dos profissionais de saúde, pois pode ser considerada a principal forma de prevenir comportamentos de risco, não devendo esta abordar unicamente os métodos contracetivos Palavras-chave: Adolescência, Sexualidade, Contraceção.
ABSTRACT Background: Emerging concerns about all aspects of sexuality and the contribution that each agent must give education to train responsible teenagers in their choices and respect the dignity of the human person. Objectives: Describe the socio-demographic, family and sexual character of the study population; Identify the knowledge that teens have about family planning To characterize the attitudes adopted by adolescents towards to condoms and birth control pills. Analyze the influence of sociodemographic and contextual variables and also knowledge about sexuality in family planning attitudes towards condoms and the pill. Methods: A descriptive, non-experimental and cross-sectional study. The non-probabilistic convenience sample consists of 1216 adolescents attending the 9th year of study in Portuguese Public Schools and is part of the project PTDC/CPE-CED/103313/2008. Results: 15.1% of boys and 10.5% of girls had sex. Teenagers aged 14 have more inadequate attitudes (21.3%) and very adequate attitudes (20,6%) towards condom. Most teenagers who believes it is important to use condoms has inappropriate attitudes against the pill (48.5%). Age (p = 0.242) and residence (p = 0.719) did not influence attitudes towards condoms, Sex (p = 0.038) influences the attitudes towards condoms and pill; age (p=0,324), residence (p=0,862) and the age of initiation of sexual intercourse (p=0,222) did not influence attitudes towards birth control pill. Have less culpability against the condom adolescents who have father (p = 0.030) and boyfriend (p = 0.023) as interlocutors about sexuality. The sexual context variables have no significant effect on attitudes towards pill (p > 0.05).. Was verified the existence of more attitudes of guilt and functionality toward condom and birth control pill among adolescents who have weak knowledge about family planning. Conclusion: Sex education should be a commitment to health professionals, it can be considered the main way to prevent risky behaviors and should not only address contraceptives methods. Keywords: Adolescence, Sexuality, Contraception.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/1991
Aparece nas colecções:ESSV - UEMOG - Dissertações de mestrado (após aprovadas pelo júri)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
CORREIA, Toni Fernando Aguilar - dissertação mestrado EMBARGO 19 junho 2014.pdf5,43 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.