Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/2055
Título: Perturbações musculo-esqueléticas no adolescente
Autor: Almeida, Artur Jorge Correia
Martins, Rosa Maria Lopes, orient.
Palavras-chave: Actividades de lazer
Adolescente
Doenças musculoesqueléticas
Escolas
Estudantes
Exercício físico
Factores socioeconómicos
Feminino
Jogos de vídeo
Maculino
Prevalência
Reabilitação
Televisão
Adolescent
Exercise
Female
Leisure activities
Male
Musculoskeletal diseases
Prevalence
Rehabilitation
Schools
Socioeconomic factors
Students
Television
Video games
Data de Defesa: 2013
Editora: Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu
Resumo: Introdução As perturbações músculo-esqueléticas têm aumentado na última década para níveis deveras preocupantes, exigindo por isso uma atenção cuidada por investigadores e profissionais de saúde com o intuito de identificar e controlar os factores de risco. Estudos epidemiológicos revelam que esse aumento se verifica sobretudo nos países desenvolvidos, com tendência para a cronicidade e manutenção na idade adulta, o que representa um problema de saúde pública. Objetivos O presente estudo pretende identificar a prevalência das perturbações músculo-esqueléticas nos adolescentes e analisar a sua relação com as variáveis sociodemográficas, antropométricas e circunstanciais. Método Trata-se de um estudo não experimental, transversal, descritivo-correlacional e de caráter quantitativo, que envolveu 137 adolescentes das três escolas do Agrupamento de Escolas de Mangualde. Foi realizado com recurso ao uso de um questionário que avalia as variáveis sociodemográficas, antropométricas, circunstanciais e perturbações músculo-esqueléticas. Usámos o “questionário da atividade física” para avaliar a prática de atividade física e o “Questionário Nórdico Músculo-Esquelético” para avaliar as perturbações músculo-esqueléticas. Resultados Os dados mostram que existem grupos significativos de adolescentes a referir perturbações músculo-esqueléticas nos últimos 12 meses tendo estas ocorrido sobretudo nas pernas/ joelhos (47,4%), coluna dorsal (37,2%), coluna lombar (35,8%), coluna cervical (35,0%) e ombros (34,3%). Observa-se ainda que as perturbações musculoesqueléticas são mais prevalentes nos adolescentes do género feminino, de classes socioeconómicas baixas, com altura superior a 1,59 m, que usam a mochila sobre um ombro, que despendem mais do que 5 horas semanais a ver televisão e que gastam mais do que 5 horas semanais a jogar jogos de vídeo ou a utilizar o computador. Conclusão O nosso estudo reforça a ideia que as perturbações músculo-esqueléticas estão presentes em grupos significativos de adolescentes, têm uma origem dinâmica, multifacetada e multidimensional. Mostra ainda que existem fatores que assumem particular importância por concorrerem diretamente para a ocorrência destas manifestações (como os de origem mecânica) e outros que influenciam indiretamente, sobretudo os de origem social ou organizacional. Neste contexto torna-se imperativo que se aposte na prevenção destas patologias através de intervenções de reabilitação e readaptação promotoras de um funcionamento músculo-esquelético optimizado. Palavras-chave: Adolescentes, perturbações, músculo-esqueléticas, dor, escolar.
ABSTRACT Introduction The musculoskeletal disorders have increased in the last decade to truly alarming levels, therefore requires careful attention by researchers and health professionals in order to identify and control risk factors. Epidemiological studies reveal that this increase occurs mostly in developing countries, with a tendency to chronicity and maintenance in adulthood, which is a public health problem. Objectives This study aims to identify the prevalence of musculoskeletal disorders in adolescents and analyze its relationship with sociodemographic, anthropometric and circumstantial. Method It is a non-experimental, cross-sectional, descriptive-correlational and quantitative character, which involved 137 adolescents from three schools of Group of Schools Mangualde. Was conducted using the use of a questionnaire that assesses sociodemographic, anthropometric, circumstantial and musculoskeletal disorders. We used the "Physical activity questionnaire" to assess physical activity and "Nordic Musculoskeletal Questionnaire" to assess musculoskeletal disorders. Results The data show that there are significant groups of teenagers referring musculoskeletal disorders in the last 12 months and these occurred mainly in the legs/ knees (47.4 %), spine (37.2 %), lumbar spine (35.8 %), cervical spine (35.0 %) and shoulder (34.3 %). It is also observed that musculoskeletal disorders are more prevalent in adolescent females from low socio-economic classes, taller than 1.59 m, using the backpack over one shoulder, they spend more than 5 hours per week watching TV and they spend more than 5 hours a week playing video games or using the computer. Conclusion Our study reinforces the idea that the musculoskeletal disorders are present in significant groups of teenagers, have a dynamic origin, multifaceted and multidimensional. It also shows that there are factors that are of particular importance for competing directly for the occurrence of such events (such as mechanical origin) and other influencing indirectly, especially those of social or organizational. In this context it is imperative to put the emphasis on prevention of these diseases through interventions that promote rehabilitation and upgrading of a musculo - skeletal optimized. Keywords : Adolescents, disorders, musculoskeletal, pain, school.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/2055
Aparece nas colecções:ESSV - UER - Dissertações de mestrado (após aprovadas pelo júri)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ALMEIDA, Artur Jorge Correia - Dissertação mestrado.pdf2,14 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.