Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/2565
Título: Atitudes dos enfermeiros face à família da pessoa em situação crítica em cuidados intensivos
Autor: Santa, Ana Isabel Silva
Orientador: Pereira, Carlos Manuel Figueiredo
Dias, António Madureira
Palavras-chave: Atitude do pessoal de saúde
Doença crítica
Enfermagem de cuidados críticos
Enfermeiros
Família
Stresse psicológico
Unidades de cuidados intensivos
Attitude of health personnel
Critical care nursing
Critical illness
Family
Intensive care units
Nurses
Stress, Psychological
Data de Defesa: 17-Jul-2014
Resumo: Enquadramento: O cuidar da pessoa em situação crítica em ambiente de cuidados intensivos provoca um forte impacto na família sendo um acontecimento de grande tensão, quer para a própria pessoa como para os seus familiares. O Cuidado centrado na família surge assim como uma abordagem ao cuidado em saúde fundamentada no relacionamento colaborativo entre os profissionais e as famílias. Contudo, as evidências indicam que as atitudes e as motivações que os enfermeiros adotam face à família, condicionam o processo de cuidar. A nível dos cuidados intensivos a equipa de enfermagem dedica grande parte do seu tempo à assistência direta à pessoa priorizando o cuidado técnico e a adequação de recursos para proporcionar essa adequada assistência. Objetivos gerais: - Caracterizar as atitudes dos enfermeiros do serviço de cuidados intensivos relativamente à importância da família nos cuidados de enfermagem; determinar a influência das variáveis sociodemográficas, profissionais e formativas na atitude dos enfermeiros face à família e identificar as principais causas de stresse vivenciado pelo enfermeiro em contexto de cuidados intensivos, e a sua influência nas atitudes dos enfermeiros. Metodologia: Foi realizado um estudo descritivo-correlacional, sendo utilizado para a colheita de dados, as escalas IFCE-AE (Importância das famílias nos cuidados de Enfermagem - atitudes dos enfermeiros),e ESPE (Escala de stress profissional dos enfermeiros). Resultados: Os resultados obtidos com scores médios mais elevados nas atitudes “família como parceiro dialogante e recurso de coping” e “família como recurso para os cuidados de enfermagem”, e inferiores na subescala “família como fardo” indicam que os enfermeiros em UCI possuem atitudes de suporte em relação à família, estando relacionadas com a existência de um protocolo de visitas na UCI (p<0.05). As características sociodemográficas e formativas não revelam diferenças estatisticamente significativas nas atitudes perante a família (p > 0,05). Não se identificaram diferenças na relação entre a perceção de acontecimentos causadores de stresse ocupacional nas atitudes face à família da pessoa em situação crítica. Conclusão: Conclui-se que os enfermeiros das UCI da região centro possuem atitudes de suporte face à família, comportando um desafio importante para a enfermagem que mesmo neste mundo altamente diferenciado, apoia a família criando desde o início um vínculo de confiança na relação. Palavras-chave: Família; Enfermeiro; Pessoa em Situação crítica; Unidades de Cuidados Intensivos; Atitude; Stresse Ocupacional.
ABSTRACT Background: The care of the person in critical condition in the intensive care environment causes a strong impact on the family is an event of great tension, either to the person himself as for his family. The family centered care emerges as an approach to health care based on the collaborative relationship between professionals and families. However, evidence indicates that attitudes and motivations that nurses adopt in the face of family, influence the process of care. The level of intensive care nursing team devotes much of his time to direct the person technical assistance prioritizing care and adequacy of resources to provide adequate assistance this. Objectives: To characterize the attitudes of nurses in intensive care service to the importance of family nursing care; determine the influence of sociodemographic and professional variables on attitude and training of nurses in the face of family and identify the causes of stress experienced by nurses in the context of intensive care and its influence on the attitudes of nurses. Methods: A descriptive correlational study, being used for data collection, was conducted scales IFCE-AE (importance of families in nursing care - attitudes of nurses), and ESPE (stress scale professional nurses). Results: The results obtained with higher average scores in attitudes "conversational partner and family as a coping resource" and "family as a resource for nursing care", and lower the subscale 'family as a burden "indicate that ICU nurses have supportive attitudes towards the family, being related to the existence of a protocol visits to the ICU (p <0,05). The sociodemographic characteristics and formative reveal no statistically significant differences in attitudes towards family (p> 0.05). Not identified differences in the relationship between the perception of occupational stress causing events in attitudes to family of the person in critical condition. Conclusion: It is concluded that the ICU nurses from the central region have attitudes supportive family face, comprising a major challenge for nursing that even in this highly differentiated world, supports the creating from the beginning a relationship of trust in the relationship family. Keywords: Family; Nurse; Person in critical situation; Intensive Care Units; Attitude; Occupational stress.
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/2565
Designação: Mestrado em Enfermagem Médico-cirúrgica
Aparece nas colecções:ESSV - UEMC - Dissertações de mestrado (após aprovadas pelo júri)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
SANTA, Ana Isabel Silva - DissertMestrado - EMBARGO 30 JUN 2015.pdfDocumento principal20,39 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.