Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/2625
Título: Automedicação em Jovens e Adultos da Região Centro de Portugal
Autor: Amaral, Odete
Lages, Adriana
Sousa, Liliana
Almeida, Lúcia
Santos, Juliana
Dias, Mariana
Silva, Daniel
Pereira, Carlos
Palavras-chave: Automedicação
Jovem
Adulto
Epidemiologia
Self medication
Adult
Young
Epidemiology
Data: 2014
Editora: Instituto Politécnico de Viseu
Citação: Amaral, Odete; Lages, Adriana; Sousa, Liliana; Almeida, Lúcia; Santos, Juliana; Dias, Mariana; Silva, Daniel & Pereira, Carlos(2014). Automedicação em Jovens e Adultos da Região Centro de Portugal. Millenium, 47 (jun/dez). Pp. 97‐109
Resumo: Resumo Introdução: A automedicação é uma prática frequente e, atualmente é um fenómeno em desenvolvimento crescente. Os objetivos deste estudo foram estimar a prevalência da automedicação em jovens e adultos da região centro de Portugal, caracterizar a prática de automedicação e identificar fatores associados à automedicação. Métodos: Realizámos um estudo analítico e transversal. A colheita de dados foi efetuada com recurso a um questionário, autoaplicado e respondido online, a indivíduos residentes na região centro de Portugal com idades ≥ 16 anos. A amostra ficou constituída por 182 indivíduos, com uma média de idades de 33,88±12,62 anos, sendo a maioria do género feminino (66,5%). As prevalências foram expressas em percentagens. Para comparação de proporções utilizou-se o teste qui quadrado e a magnitude de associação entre um fator e a condição foi estimada através do cálculo do odds ratios, com os respetivos intervalos de confiança a 95%. Resultados: Verificámos que a prevalência de automedicação ao longo da vida foi de 85,7%, e, nos últimos 6 meses, de 85,9%. A maioria da amostra (50,3%) referiu que pratica automedicação por iniciativa própria, sendo os medicamentos mais utilizados os analgésicos (78,8%) e os anti-inflamatórios (54,5%), salientando que 7,1% dos indivíduos referiu que se automedica com antibióticos. O local de aquisição mais frequente dos medicamentos foi a farmácia (82,5%) e, grande parte dos indivíduos (92,3%), afirma ter conhecimento dos riscos dos medicamentos. A prática da automedicação associou-se com a idade (≤ 25 anos OR=1,28; IC95% 1,16-1,41) e com o agregado familiar com filhos (OR=4,77; IC95% 1,94-11,71). Conclusão: Concluímos que a automedicação é uma prática muito frequente entre os jovens e adultos da região centro de Portugal, associando-se a idades mais jovens e aos agregados familiares com filhos.
Abstract Background: Self-medication is a common practice and currently is a phenomenon in increasing development. The aims of this study consisted in estimating the prevalence and characterize self-medication among adolescents and adults of the Central region of Portugal and identify the socio-demographic variables that are associated with self-medication. Methods: A cross-sectional study was designed. For data collection we used an online self-administered questionnaire, which was applied to individuals resident in the central region of Portugal, obtaining a final sample of 182 individuals with the average age of 33.88±12.62 years, higher among female gender (66.5%). Prevalences were expressed in percentages. Proportions were compared using the Chi-square test and the magnitude of association between risk factor and condition was estimated by odds ratio, with the respective 95% confidence interval. Results: The prevalence of self-medication during life was 86.7% and in the last six months 85.9%. The majority of the sample (50.3%) referred the practice of self-medication on their own initiative, and the most used drugs were painkillers (78.8%), anti-inflammatories (54.5%) and antibiotics (7.1%). Most of the drugs were acquired in the pharmacy (82.5%) and 92.3% affirm having knowledge about the risks that the medicine they have self-medicated with may cause. The practice of self-medication is associated with age (≤ 25 years OR=1.28; 95%CI 1.16-1.41) and families with children households (OR=4.77; 95%CI 1.94-11.71). Conclusion: Self-medication is a very common practice among young people and adults in the central region of Portugal, which is associated with younger ages and families with children households.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/2625
Versão do Editor: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium47/9.pdf
Aparece nas colecções:RE - Número 47 - dezembro de 2014

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
9.pdf195,21 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.