Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/2838
Título: Cultura de segurança da criança hospitalizada num centro hospitalar da zona centro : perceção dos enfermeiros
Autor: Garcia, Catarina Raquel Ferreira
Orientador: Silva, Ernestina Maria Veríssimo Batoca
Duarte, João Carvalho
Palavras-chave: Atitude do pessoal de saúde
Criança
Criança hospitalizada
Cultura
Enfermagem pediátrica
Enfermeiros
Pediatria
Qualidade de cuidados de saúde
Segurança do doente
Attitude of health personnel
Child
Child, hospitalized
Culture
Nurses
Patient safety
Pediatric nursing
Pediatrics
Quality of health care
Data de Defesa: 17-Mar-2015
Resumo: Enquadramento: A segurança dos doentes é reconhecida como um dos pilares fundamentais da qualidade dos cuidados de saúde, sendo prioritário desenvolver uma cultura de segurança que vise minimizar a ocorrência de erros, favorecendo a aprendizagem com os mesmos. Objetivo: Caracterizar a cultura de segurança da criança hospitalizada, percecionada pelos enfermeiros. Metodologia: Estudo quantitativo, descritivo-correlacional e transversal, efetuado numa amostra de 68 enfermeiros a exercer funções em serviços de pediatria/neonatologia (52,9%) e serviços de obstetrícia (47,1%) num centro hospitalar da zona Centro. Os participantes são maioritariamente do sexo feminino (98,5%), com idades entre os 27 e os 56 anos, tendo a maioria entre 3 a 7 anos de experiência na prestação de cuidados à criança (35,3%). Utilizámos uma versão adaptada do questionário Hospital Survey on Patient Safety Culture, (Agency for Healthcare Research and Quality, [AHRQ], 2014). Resultados: Como pontos fortes da cultura de segurança salientaram-se as seguintes dimensões: “trabalho em equipa”,“expectativas do supervisor/ gestor e ações que promovam a segurança do doente”, “aprendizagem organizacional – melhoria contínua” e “feedback e comunicação acerca do erro”. Por outro lado, as dimensões que constituem oportunidades de melhoria foram: “trabalho entre unidades”, “apoio à segurança do doente pela gestão”, “resposta ao erro não punitiva” e “frequência da notificação de eventos”. Os enfermeiros licenciados, com idade ≥ a 38 anos e que não possuem formação em segurança do doente e gestão do risco foram os que evidenciaram uma cultura de segurança superior. Conclusão: Para obter melhores resultados nas áreas identificadas como oportunidades de melhoria é fundamental o envolvimento de todos, pois apenas com uma colaboração conjunta teremos uma cultura de segurança mais enraizada e fortalecida.
Abstract Background: Patient’s safety is recognized as one of the pillars of the health care quality. Develop a safety culture that aims to minimize the occurrence of mistakes, and encourage people to learn with them is considered a priority. Goal: Characterize the safety culture of the hospitalized child, from the nurses’ perception. Methodology: Quantitative, descriptive-correlational and transversal study, accomplished on a sample of 68 nurses working into pediatric/neonatology services (52,9%) and into obstetrics services (47,1%) of a hospital center in the Center zone. The participants are mostly females (98, 5%), with ages between 27 and 56 years old, having in majority about 3 to 7 years of experience in the care of children (35, 3%). We used an adapted version of the questionnaire Hospital Survey on Patient Safety Culture (Agency for Healthcare Research and Quality, [AHRQ], 2014). Results: As strong points in the safety culture, stood out the following dimensions: "teamwork within units", " supervisor / manager’s expectations and actions promoting patient safety", "organizational learning - continuous improvement", and "feedback and communication about the error". On the other hand, the dimensions that revealed themselves as opportunities to improve were: : "teamwork across units", "management support for patient safety", "non-punitive response to error" and "frequency of events reported". The licensed nurses, with age greater than or equal to 38 years old and that don’t possess training on patient’s safety and risk management, were the ones that showed a superior safety culture. Conclusion: To obtain better results in the identified areas as improvement opportunities, it’s fundamental everyone’s involvement, because only with joint collaboration will we have a rooted and strengthened safety culture.
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/2838
Designação: Mestrado em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediatria
Aparece nas colecções:ESSV - UECA - Dissertações de mestrado (após aprovadas pelo júri)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
GARCIA, CatarinaRaquelFerreira DM.pdfDocumento principal2,64 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.