Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/354
Título: Pacto niilista - um olhar crítico sobre a sociedade moderna e as instituições "domesticantes" que a sustentam
Autor: Faria, Rogério Caetano de
Palavras-chave: Sociedade
Niilismo
Data: Nov-2008
Editora: Instituto Politécnico de Viseu
Relatório da Série N.º: 35;
Resumo: Não sou cético, nem místico, nem cientificista ou cultuador da metafísica. Não ergo bandeira alguma. Nenhuma causa me apetece. Sou minha própria tribo. “Todas as minhas esperanças estão em mim” (TERÊNCIO in MONTAIGNE, 1998, p. 39); “nada possuo senão a mim mesmo, e essa é uma posse em parte imperfeita e emprestada” (MONTAIGNE, 1998, p. 39-40). Sou um mitolomicida, um assassino de ídolos. Sintome fascinado pela subversão, obcecado pela heresia, apaixonado pelo novo, nauseado pelo velho e caquético. Minha alma permanece eufórica enquanto depara-se com o desconhecido. Não tenho apego por elemento de gênero algum. Encerro todas as convicções na minha inteira falta delas. As coisas só me são definitivas por enquanto! Traço minha própria sorte. Faço meu próprio destino. Sou casmurro. Sou niilista. O niilismo navalhante dos sem-pátria, sem-deuses, sem nada. O niilismo de quem paradoxalmente entende o tudo a partir do nada; de quem sabe exatamente do que foge, mas não o que procura (MONTAIGNE, 1998, p. 45). Sinto-me o próprio Quincas confidenciando o humanitismo a Cubas (ASSIS, 1999). Encarno toda a dor de Arthur 1 . Visto a necrofilia de Augusto 2 Quem sabe esteja entre os homens raros, nascidos . póstumos, que atendem ao chamado de Friedrich 3 Não percorro a estrada do . pensamento com leveza, como faria a meiga bailarina inspirando encanto e suavidade ao interpretar alguma obra clássica. O meu caminho é árduo. Não atravesso a linha da vida com candura e nem vivo molemente. Sou premido por sentimentos funestos. “A podridão me serve de evangelho” (ANJOS, 1997, p. 42). Sobrevivi às sete solidões, e isso é para poucos. Poucos são os que conhecem a grande dor; a dor que não se entende, vive-se. Ciente de minha incoerência, passo agora a ponderar sobre o imponderável. Quero falar tudo sobre o nada, pois “ama-se a vida, mas o nada não deixa de ter o seu lado bom” (VOLTAIRE in SCHOPENHAUER, 2000, p. 63). Desacato todas as autoridades nesse instante. Todos os demônios me pertencem nessa hora.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/354
Aparece nas colecções:RE - Número 35 - Novembro de 2008

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Pacto_niilista.pdf121,41 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.