Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/4575
Título: Crenças acerca da medicação e adesão terapêutica em utentes hipertensos
Outros títulos: Beliefs about medicines and adherence to treatment in hypertensive patients
Autor: Dias, António
Cunha, Madalena
Ribeiro, Olivério
Albuquerque, Carlos
Andrade, Ana
Palavras-chave: Crenças acerca da medicação
Adesão terapêutica
Hipertensão arterial
Data: Mai-2016
Editora: Associação Católica de Enfermeiros e Profissionais de Saúde
Citação: Dias, A., Cunha, M., Ribeiro, O., Albuquerque, C., & Andrade, A. (2016). Crenças acerca da medicação e adesão terapêutica em utentes hipertensos. Servir, 59(3), 50-55.
Resumo: INTRODUÇÃO A hipertensão artérias (HTA) é o fator de risco mais prevalente na população portuguesa e como doença crónica que é, necessita da terapêutica e vigilância continuada no tempo, sendo importante não esquecer que a interrupção da terapêutica, absoluta ou intermitente, pode associar-se a um agravamento da situação clínica. O fenómeno da adesão ao tratamento é motivo de preocupação por parte da comunidade científica, sendo considerado como um problema mundial de elevada magnitude. As implicações são de grande relevância na morbilidade e mortalidade e no significativo aumento do consumo de cuidados de saúde e dos custos para o sistema de saúde. OBJETIVO Pretende-se avaliar a adesão ao tratamento e relacionar as crenças acerca dos medicamentos com a adesão ao tratamento. MÉTODOS Estudo, de carácter observacional e transversal, realizado com 119 utentes com diagnóstico médico de HTA há pelo menos um ano. A recolha de dados foi efetuada através de um questionário (caracterização sociodemográfica, Medida de Adesão aos Tratamentos e Crenças acerca dos Fármacos) autoaplicado aos indivíduos que se encontravam no momento a frequentar a consulta nos cuidados de saúde primários. O protocolo de pesquisa foi avaliado e aprovado pelo Comitê de Ética. A análise estatística foi processada através do programa SPSS versão 20.0 com utilização de testes paramétricos e não paramétricos consoante as variáveis do estudo apresentavam ou não uma distribuição normal. RESULTADOS Os doentes apresentaram uma média de idade de 64,2 anos± 11,1 anos, 54,6% eram do sexo masculino, 81,50% eram “casados”, 66,4% tinham escolaridade até ao “4º ano”, 63%, residiam na “aldeia”, 50,2% eram “reformados”, 48,7% auferiam um rendimento até um “ordenado mínimo” e 10,9% referiram ter grandes dificuldades económicas. Clinicamente 23,5% dos hipertensos apresentaram TA não controlada (≥ 140/90 mmHg). A prevalecia da adesão do hipertenso foi de 51,3%. A forte crença nas necessidades específicas da medicação prescrita, revelou-se pedidora da adesão à medicação. CONCLUSÕES Os resultados são consistentes com estudos anteriores, em que os indivíduos com crenças mais elevadas nas necessidades específicas da medicação prescrita, registaram maior taxa de adesão à medicação.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/4575
ISSN: 0871-2379
Aparece nas colecções:ESSV - UEMC - Artigos publicados em revista científica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Crenças acerca da medicação e adesão terapêutica em utentes hipertensos.pdf292,54 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.