Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.19/5027
Title: O primado do “homem-meio”: o legado ético da revolução coperniciana do self-media
Author: Barroso, Paulo M.
Keywords: Cibercultura
cidadão-jornalista
comunicação
modernidade
self-media
Issue Date: 2015
Citation: Barroso, Paulo M.O primado do “homem-meio”: o legado ético da revolução coperniciana do self-media, Trabalho apresentado em 3.º Congresso Literacia, Media e Cidadania, In Livro de Atas do 3.º Congresso Literacia, Media e Cidadania, Lisboa, 2015.
Abstract: Face à mudança de modelo comunicacional e às valências dos novos media, importa indagar: a) O poder da informação aumentou ou diminuiu? b) Há uma maior ou menor responsabilização do papel do jornalista? c) Qualquer cidadão pode fazer de jornalista recorrendo aos self-media? A ascensão do sujeito-objeto ou homem-meio apaga o recetor e inverte os papéis do jornalista e do público (figurativamente comparável a uma revolução coperniciana: o primado do cidadão-jornalista ou “homem-meio”). Em conformidade com esta problemática, os objetivos desta proposta são: 1) analisar criticamente o atual campo dos media, designadamente as relações entre os agentes (emissor e recetor); 2) compreender o processo de mudança enquanto forma de identificar as características da sociedade da informação e as suas implicações na mediação com um mundo global, complexo e em mudança e que, por isso, exige novas formas de literacia e cidadania. Esta proposta tem um cariz eminentemente teórico, porque se funde nas perspetivas mais conhecidas e acuradas sobre a comunicação de massas (e.g. McLuhan, McQuail, Sartori ou Ramonet). Por conseguinte, não existe objeto empírico de análise nem caso de estudo, mas apenas um objeto de estudo reflexivo: os self-media. Considerando este âmbito teórico, bem como o objeto de estudo e os objetivos acima mencionados, a metodologia prima pela análise crítica: parte-se dos autores e estudos de referência para se interpretar o modo como os self media (extensões dos avanços tecnológicos e globais na comunicação e consequência da “Era de Emerec” idealizada por Cloutier na década de 1970) representam, por um lado, a forma de participação moderna individualizada (e não profissionalizada nem regulamentada) de novos atores nos processos de comunicação social (no espaço público/mediático e igualmente modificado), por outro lado, a forma de reconhecimento quer da própria construção mediática quer da construção de sentido da atualidade virtualizada.
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/5027
Appears in Collections:ESEV - DCA - Documentos de congressos (comunicações, posters, actas)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Barroso Livro Actas 3 LMC.pdf99,66 kBAdobe PDFView/Open    Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.