Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.19/583
Título: Pós-modernidade e filosofia da história
Autor: Dantas, Leda
Palavras-chave: Filosofia da história
Pós-modernidade
Data: Jun-2004
Editora: Instituto Politécnico de Viseu
Relatório da Série N.º: 29;
Resumo: A Modernidade nasce sob o signo da liberdade. O homem é livre porque não está mais à mercê do obscurantismo da religião, mas é capaz de entendimento. A filosofia e a ciência, e não mais os mitos, definiam o verdadeiro. O homem livre era aquele que conhecia a verdade racionalmente concebida e por ela definia o seu destino. O homem faz a sua história - essa é uma idéia tipicamente moderna. Aliás, a modernidade pode ser considerada a ‘época da história’. A idéia agostiniana de uma história linear, que resultaria no juízo final e na realização do bem divino, é secularizada. Em Kant, Hegel e Marx a história segue um curso linear e pressupõe um nexo essencial com a emancipação humana. Mas, talvez em nenhum outro teórico da modernidade está idéia (de que os homens fazem sua história e neste processo eles próprios se fazem) tenha sido mais enfaticamente defendida do que em Marx. Se em Kant havia uma providência e em Hegel um sujeito absoluto, em Marx, a história é obra essencialmente humana. Não haveria absolutamente nada para além dos homens, para além da história.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.19/583
ISSN: 1647-662X
Aparece nas colecções:RE - Número 29 - Junho de 2004

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Pós-modernidade.pdf215,85 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.